• Natália Scodeler

A relação do trabalho com a depressão


A depressão é uma das maiores preocupações da humanidade. Segundo a Organização Mundial da Saúde, até 2020, ela será a segunda maior causa de afastamentos profissionais em todo o mundo. Ela não possui uma população de risco: todos são suscetíveis, podendo ser desenvolvida em qualquer ambiente - existindo muitos casos de depressão no trabalho, por motivações do próprio ambiente.


Ao contrário do que muita gente pensa, a depressão não é uma escolha. Normalmente, a condição aparece aos poucos, com pequenas atitudes e pensamentos que vamos nos dar conta apenas muito tempo depois, quando normalmente já nos encontramos no quadro depressivo. Conversar com familiares e amigos sobre o que você sente e como você sente é de extrema importância, e o auxílio médico e profissional, como consultas com psiquiatras e psicólogos, deve ser considerado sempre.


Curar-se da depressão sozinha(o) não é tarefa recomendada, mas existem alguns sinais e gatilhos que podem te ajudar a perceber que é hora de buscar ajuda - e que está tudo bem nisso.


Como identificar, quais os sintomas e o que causa a depressão?

O primeiro passo para identificar a depressão é encará-la, de fato, como uma doença, e não como um estado passageiro de tristeza ou angústia. A permanência dos sintomas é justamente o que torna a depressão um transtorno emocional e mental.

Tendo isso em mente, podemos considerar alguns sintomas básicos que, segundo a OMS, podem caracterizar uma pessoa em estado depressivo. São eles:

  • Mudança abrupta e constante de humor

  • Prevalência de sentimentos como culpa e baixa autoestima em excesso

  • Distúrbio do sono

  • Falta de apetite

  • Perda do prazer de realizar tarefas que antes eram agradáveis.


Mas o que causa, efetivamente, a depressão?

Diversos motivos podem se tornar gatilhos. A depressão é um transtorno mental que possui uma forma e uma causa única a cada pessoa, sendo também causada por fatores múltiplos e não apenas por fatores isolados. A doença pode ter causas hereditárias (famílias com históricos de pessoas depressivas tendem a repetir o padrão), por um trauma vivido, como a perda de um parente, ou por influência do meio, como um ambiente de trabalho tóxico e abusivo, como veremos a seguir.


Como identificar a depressão no trabalho?

O ambiente de trabalho pode ter um grande impacto para o desenvolvimento da depressão - tanto por gatilhos ou como intensificadores de uma predisposição. Situações onde pessoas da equipe se sentem despreparados para realizar determinada tarefa e, mesmo assim, seguem sem feedback ou apoio, são um prato cheio para que a semente do desânimo ou baixa autoestima seja plantada - e, de desânimo em desânimo, a depressão surge, de forma silenciosa.

Você pode começar a reparar em você mesma(o) ou em seus colegas: normalmente, pessoas que entram em estado depressivo por conta do ambiente de trabalho assumem, com frequência, as seguintes características:


  • Dificuldade em planejar a rotina diária

  • Dificuldade de se concentrar em reuniões

  • Dificuldade de se manter acordado

  • Esquecimento

  • Indecisão na hora de fazer escolhas objetivas

  • Desmotivação e cansaço físico

  • Dores físicas

  • Falta de apetite ou em excesso

  • Marcas de olheiras nos olhos


Busca de ajuda

O ambiente de trabalho é, normalmente, uma via de mão dupla: empregados e líderes, equipe e gestores, e assim por diante. Então, os caminhos para se combater a depressão no trabalho também devem ter diversas frentes.


Se você é um líder ou gestor, é importante reconhecer que seus funcionários podem desenvolver um quadro depressivo como qualquer outro ser humano. É importante respeitar essa situação da pessoa, e entender que essa condição não é uma escolha ou uma “frescura”. A mudança, então, deve ser estrutural: ao reparar que seu funcionário(a) apresenta algum sintoma depressivo, é muito mais útil você se sensibilizar e chamá-lo(a) para uma conversa para entender a situação e demonstrar empatia e companheirismo do que reprimi-la ou julgá-la. 


Existem outras atitudes que você pode tomar como forma de evitar que sua equipe desenvolva essa doença. São elas:


  • Treinamentos de soft skills, como inteligência emocional e comunicação não violenta

  • Autofeedback e Feedback 360º

  • Apoio técnico quando necessário, incluindo treinamentos

  • Oferecer um ambiente de trabalho leve e compreensivo

  • Ambiente com diversidade e inclusão

  • Oferecer um plano de saúde que cubra consultas e tratamentos psicológicos e psiquiátricos.

  • Respeitar a individualidade e momentos de descanso, sem mensagens fora de hora

Já se você é a(o) funcionária(o) (líder ou não) que se encontra nessa condição, é importante sempre buscar ajuda. Diferente de um corte ou algum hematoma externo, a depressão consome de dentro para fora, e a única forma de torná-la realmente visível, é reconhecer que precisa de auxílio e buscá-lo.


Busque o apoio e a compreensão da família e amigos e, sempre que for necessário e, principalmente, sempre que possível, busque a ajuda de um(a) psiquiatra e psicóloga(o): sua escuta ativa irá compreender suas questões e te orientar para encontrar a melhor solução para sua carreira profissional e vida pessoal. 


Obs: Este artigo foi escrito por profissional da saúde, consultando psicólogos para validação. Caso haja algum ponto que gostaria de acrescentar ou sugerir modificação, estou aberta.


Natália Folco

Atua com desenvolvimento de liderança, profissão e negócios sustentáveis. Professora de Inteligência Emocional, realiza workshops de Comunicação Assertiva in Company, entre outras atividades.

contato@nataliafolco.com.br



10 visualizações

(11) 99650-8381

©2020 por Natália Folco Coaching.