4 desafios de liderança feminina e como vencer

0115-NATALIA FOLCO-lideranca-feminina.png

Liderar é uma tarefa que exige competência e dedicação. Não são todas as pessoas que estão prontas para isso, cada uma tem o seu tempo de amadurecimento profissional. Isso inclui as mulheres, claro. Apesar delas cada vez mais estarem ocupando cargos altos de empresas, ainda existe um desequilíbrio com relação ao gênero masculino e sofrem com preconceitos no dia a dia como "chefes". São diversos desafios da liderança feminina ainda para vencer.

Não existe essa de que um sexo é superior a outro quando o assunto é liderança, existem sim características individuais que tornam esse caminho mais natural ou mais desafiador. Atualmente, as mulheres representam 51,7% dos trabalhadores brasileiros. E você sabia que apenas 37,8% das mulheres estão em cargos de chefia no Brasil? Esses foram os últimos dados divulgados pelo IBGE, em 2018.

Há muito ainda o que vencer para que as mulheres ganhem o mesmo reconhecimento que os homens nas empresas. Confira alguns desafios de liderança feminina e como driblar isso:

1) Cultura patriarcal

Muitas empresas ainda possuem uma cultura mais antiga, onde os homens eram vistos como os tomadores de decisões e aqueles que todos respeitavam e idolatravam. Ainda há diversas pessoas que estranham quando encontram uma mulher em cargo de liderança, achando que ela não tem força e nem voz para isso, resistindo e banalizando as regras da líder, ou até mesmo tratando a chefe como uma pessoa secundária na empresa.

Isso muito tem a ver também com um termo chamado viés inconsciente, onde semelhantes escolhem semelhantes, e isso faz com que os que estão no poder (em sua maioria homens e brancos), não considerem escolher alguém que não seria semelhante a ele, como uma mulher negra. Existem diversos estudo sobre isso, esta é uma explicação mais rápida para seguirmos para o próximo desafio. ;)

2) Necessidade de incorporar novas características

A mulher ainda é vista como uma pessoa mais emotiva, que vive plenamente para cuidar da família. Mas não é bem assim. Por isso, às vezes a mulher precisa incorporar características como racionalidade, planejamento, inteligência emocional, competência técnica e habilidades com relações interpessoais, que até então são características comumente encontradas em homens. Isso não quer dizer que as mulheres não sejam assim, ainda mais no século XXI.

Porém, muitas delas perdem oportunidades na empresa por, na visão corporativa, trazerem uma perspectiva diferente dessa oferecida pelos homens. A mulher não é menos capaz que os homens, e isso é um passo que devemos expor, seja na determinação, tomada de decisões, seja onde for, mas mostre o quanto você é capaz de exercer esse papel tanto quanto os homens.

3) Empoderamento na liderança feminina

Outra dificuldade comum entre as mulheres é de empoderamento na liderança feminina. Aceitar a feminilidade não quer dizer encarar a condição de mulher como um conjunto de características não moldáveis, mas sim entender que ela possui potenciais que são importantes para dirigir uma empresa. Inclusive existem pesquisas que mostram que há vantagens econômicas para as empresas que possuem um board de liderança mais equilibrado com relação a diversidade de gênero e outros tipos.

O empoderamento aqui significa reconhecer o seu real valor e se ver como capaz de crescer no âmbito profissional, além de entender que você pode sim liderar da melhor forma o negócio. Além disso, não se contente com o que a empresa te oferece, como um salário mais baixo que o seu colega que é homem, e lute por um reconhecimento igual. Não deixe isso quieto ou para depois, negocie as suas condições. Você é a voz mais forte para traçar vantagens estratégicas. Indico aqui a leitura do livro “Faça acontecer”, de Sheryl Sandberg.

4) Quebrar rótulos

A mulher ainda é vista como a dona de casa, que cuida da família, que faz mil coisas ao mesmo tempo, que é frágil, emotiva, isso e aquilo. Mas a gente sabe que não é bem assim, né? A figura feminina ficou presa ao passado. É isso que devemos desmistificar.

Hoje em dia, as mulheres estudam, trabalham, cuidam da família, fazem o que bem precisarem e são independentes, conciliando tudo da melhor forma possível. Aquela mulher de antigamente pode até existir, mas não é a mulher que encontramos nas empresas, que está em busca dos sonhos, batalhando por uma vida boa, e claro, o emprego de liderança merecido. Mas também precisamos entender que estamos em transição de modelo de vida e familiar, que ainda pode existir culpa ou julgamentos quando se assume uma postura que rompe os padrões estabelecidos.

Por isso, precisamos nos fortalecer para lidar com esses desafios, assumindo posturas que incluam as suas características, mas também nos posicionar e jogar o jogo. É preciso sentar na melhor cadeira da reunião, respeitando a hierarquia se existir, mostrar que você pode assumir maiores responsabilidades e entende do assunto. Precisamos quebrar rótulos do passado. Não é do dia para a noite, mas é possível se tivermos resiliência, força e determinação em mente. Imponha-se, mostre que você é capaz, mostre que você faz e faz de uma forma única e intransferível. Não se retraia.

Gostou das dicas de liderança feminina? Nem sempre é fácil por tudo isso em prática, ainda mais no mundo em que vivemos hoje. Por isso, existem pessoas para te auxiliar nessa caminhada da liderança feminina com coaching, como a especialista coach Natália Folco. Marque já um papo e entenda como começar essa nova jornada de conquistas!